top of page

Saiba por que a sua empresa deve colocar em prática o compliance


Estar em conformidade com as leis e seguir boas práticas é sinônimo de uma empresa de sucesso, com uma boa imagem diante de concorrentes, fornecedores e dos clientes. Por isso, cada vez mais o compliance vem ganhando notoriedade no universo corporativo e está sendo o assunto do momento entre os empresários de todos os setores.


Quer saber mais sobre como esse tema pode auxiliar o seu negócio a alavancar os bons resultados e por que deve adotá-lo em sua gestão? Continue a leitura e descubra!


O que é compliance?


É um termo que deriva do verbo em inglês “to comply”, que ao ser traduzido significa estar em conformidade. Quando estamos nos referindo ao compliance aplicado em uma organização, ele representa várias ações que devem ser praticadas para que a empresa esteja em conformidade e siga à risca os padrões éticos, as legislações vigentes no país, estabelecidas por órgãos reguladores e também as regras e instruções internas.


A prática do compliance é um meio de estabelecer a sintonia com normas trabalhistas, fiscais, contábeis, financeiras, ambientais, jurídicas, previdenciárias e éticas.


Além disso, está ligado à Lei 12.846/13, conhecida como Lei Anticorrupção, que discorre sobre a responsabilização objetiva administrativa e civil pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e prevê que organizações sejam responsabilizadas objetivamente, nos âmbitos administrativo e civil, pelos atos lesivos previstos nesta Lei praticados em seu interesse ou benefício, exclusivo ou não.


Como colocar em prática o compliance?


Reconhecer que precisa contar com um compliance é o primeiro passo, mas ainda há outras orientações para essa implementação, confira:

  • Defina as regras: crie normas e procedimentos para que todas as pessoas saibam exatamente quais são as suas tarefas dentro do organograma da instituição. Desta forma, terá um parâmetro para se basear e se certificar que tudo está de acordo com as definições.

  • Avalie os riscos: analise todos os riscos que o seu negócio pode estar exposto e faça levantamentos de possíveis soluções.

  • Crie um canal de denúncias anônimas seguro: essa é uma maneira de poder contar com os próprios colaboradores que conseguem, de alguma forma, identificar possíveis descumprimentos das regras. Assim, se sentirão seguros de informar aos superiores irregularidades identificadas.

  • Envolva todos os colaboradores: dessa maneira, todos terão o sentimento de pertencimento do processo e poderão contribuir de forma ativa nas atividades propostas.

  • Invista em tecnologia: atualmente, existem diversos recursos, programas e plataformas que auxiliam a mitigação de riscos, ou, caso alguma fraude aconteça, a tecnologia permite que medidas possam ser tomadas de forma rápida e assertiva.

  • Conte com o monitoramento: busque profissionais competentes e qualificados, como o Grupo Assaf para realizar a revisão e análise constantes dos seus processos.


Qual é a importância do compliance?


Uma das principais funções do compliance é minimizar riscos que enfraquecem a empresa no mercado, retirando a sua credibilidade, e guiar o seu comportamento diante do ramo em que atuam. Além disso, essa é considerada uma estratégia fundamental para um negócio, já que contar com o compliance significa que existe transparência, maturidade na gestão e organização institucional.


Pilares de um bom programa de compliance


Ações bem estruturadas vão além de recomendações técnicas e devem ser amparadas nos seguintes aspectos:

  • Identificação;

  • Prevenção;

  • Monitoramento e detecção;

  • Resolução de problemas;

  • Orientação e treinamento.

Qual é a relação do compliance e a LGPD?


Não há como falar de compliance sem mencionar a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), afinal, o cumprimento às normas e regras desta lei possui um grande impacto, já que desde janeiro de 2022, a ANPD (Agência Nacional de Proteção de Dados) passou a analisar e fiscalizar a conformidade das determinações estabelecidas.


As penalidades aplicadas em organizações que não cumprem a lei podem ser muito prejudiciais, não somente pela questão financeira, mas, também, pelo fato que prejudicam a reputação.

Entre as principais penas, estão:

  • Advertência: definindo um prazo para que a instituição faça as correções necessárias, caso isso não aconteça, penas são aplicadas.

  • Multa simples sobre o faturamento: pode chegar a 2% do faturamento da pessoa jurídica e o teto de R$ 50 milhões por infração cometida.

  • Multa diária: também tem o limite de R$ 50 milhões.

Comece agora mesmo


Se a sua empresa visa uma longa e satisfatória jornada no mercado, além de crescimento e sucesso, ela deve estar em conformidade das normas internas e externas. Isso não representa mais apenas uma questão de diferencial, e sim uma necessidade, uma vez que a ausência desse planejamento pode gerar prejuízos financeiros e de reputação.


Para isso, é fundamental contar com uma equipe multidisciplinar, que realize a devida consultoria e seja responsável por avaliar riscos e garantir a segurança, implantando métodos, processos e ferramentas de Governança e Boas Práticas.


Conte com o time de especialistas do Grupo Assaf e desfrute dos benefícios de ter um compliance bem estruturado em sua organização.


131 visualizações

Comments


Keyboard and Mouse

#BlogAssaf 

Preencha os campos abaixo e receba nosso conteúdo gratuitamente.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade e com os Termos de Uso.

bottom of page